Seja bem vindo ao site RADIO SAT BRASIL MINHA RADIO GOSPEL !

Agenda
Nenhuma registro encontrado
WhatsApp 61 95475134
Bate Papo

Digite seu NOME:

Banner Lateral 01
Banner Lateral 02
Banner Lateral 03
Banner Lateral 04
Estatísticas

Visitas: 19292

Usuários Online: 104

Testemunhos

Adicionar
Nenhuma registro encontrado
Mural

Enviar mensagem

Fabricio Nunes

Toda equipe do site está de parabéns pelo belo trabalho, cont...

Sandro

Parabéns a Toda Equipe do Site! Agora é noticia em tempo real...

Bento Junior

Parabéns\r\nSucesso!!!\r\nVoces estao de parabéns pela inicia...

Tamiris

vcs estao de parabéns!! adorei o novo site estar masa pricipalmente ...

Nenhuma programação cadastrada
para esse horário
Top Música
1
Julia Vitoria e GabrielEsperança
2
KemuelAlgo Novo
3
Jairo BonfimDeus Proverá
4
EyshilaMe Leva
5
Jairo BonfimDeus Proverá
Ouvinte do Mes
JoaquimBrasília
radios net

Disponível no Google Play

Cidade

Coletivos brasilienses lutam contra pobreza menstrual

Falta de implementação das leis que distribuem absorventes descartáveis e coletores menstruais faz grupos agirem por conta própria

Publicada em 19/01/2022 às 06:10h - 22 visualizações jornal de brasilia

Link da Notícia:
Compartilhe
   

Coletivos brasilienses lutam contra pobreza menstrual
 (Foto: jornal de brasilia )
Preocupados com o cenário cada vez mais latente, movimentos sociais da capital cobram o GDF. Foto: Coletivo Juntas

Luciana Costa e Mayra Dias

Sancionada há um ano pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), de autoria da deputada distrital Arlete Sampaio (PT-DF) em conjunto com o movimento Girl Up, a Lei nº 6.779/2021, que garante a distribuição gratuita de absorventes higiênicos para estudantes da rede pública e mulheres em situação de vulnerabilidade, segue sem efetiva aplicação no DF. Preocupados com o cenário cada vez mais latente, movimentos sociais da capital cobram o GDF e agem por conta própria através de campanhas de arrecadação e distribuição do artigo.

“O DF apresenta uma situação alarmante no que se refere a quantidade de pessoas sofrendo com a pobreza menstrual. Não há justificativa para que a medida ainda não tenha sido implementada”, comenta Luísa Valadares, que compõe o coletivo Juntas DF.

 
PUBLICIDADE

O movimento realizou, em outubro de 2021, ações para arrecadar absorventes na Rodoviária do Plano Piloto. A atitude, por sua vez, gerou a doação de aproximadamente 200 pacotes do item. “Em todo o país, a pobreza menstrual atinge cerca de 22% da população entre 12 e 14 anos de idade”, desenvolve a doutora Daniely Toledo, ginecologista do Hospital Anchieta de Brasília. “Isso está relacionado não somente a falta de acesso ao item, mas também a precariedade do saneamento básico e falta de educação necessária para gerenciar esse período”, acrescentou a profissional.

Em paralelo, a Lei nº 7.051/2022, de autoria da distrital Júlia Lucy (Novo), recentemente aprovada neste mês, determina que o oferecimento gratuito de coletores menstruais também para a população feminina de baixa renda. Os coletores menstruais começaram a ser produzidos, industrialmente, na década de 1930. O produto tem vida útil de até 10 anos, o que pode trazer uma grande economia aos cofres públicos, além disso, é considerado mais sustentável do que absorventes descartáveis, diminuindo significativamente a produção de lixo.

Em contrapartida, o governo declara que, por falta de regulamentação, a Lei nº 6.779, que foi publicada no Diário Oficial do DF em janeiro de 2021, não foi posta em prática. A norma determina que os absorventes descartáveis e os coletores menstruais devem ser disponibilizados a mulheres e adolescentes de baixa renda, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e escolas da rede pública.

Segundo o Executivo, para dar início à medida, que ainda não tem prazo para início da aplicação, está sendo constituído um grupo de trabalho intersetorial, que inclui desde as secretarias de Saúde e de Educação, até as da Mulher, de Desenvolvimento Social e de Justiça, que irão discutir e organizar as questões necessárias à implementação de ambos os textos. Entre os assuntos que faltam serem tratados, estão os de recursos financeiros, logística, e critérios relativos à distribuição, público-alvo, periodicidade de entrega e monitoramento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lucy afirma que, em conversas com a Secretaria de Educação, a distribuição dos coletores e dos absorventes serão viabilizadas para às escolas pela Programa de Descentralização Financeira e Orçamentária (PDAF). Responsável por disponibilizar recursos financeiros em caráter complementar e suplementar diretamente às unidades escolares e coordenações regionais de ensino da rede pública.

Um problema estrutural

As consequências advindas desse problema, assim como da falta de políticas públicas sobre o tema são inúmeras. Foto: Coletivo Juntas

“Certamente esse é um dos reflexos do machismo estrutural de uma sociedade que, por anos, não se preocupou em garantir itens de higiene básica para pessoas que menstruam”, argumenta Luísa. Para a militante de 21 anos, a pandemia de covid-19 tornou a situação ainda mais preocupante, devido aos altos índices de desemprego e ao consequente aumento das pessoas em situação de rua ou em extrema pobreza. “Hoje, milhares de mães se desdobram para enfrentar o sistema vigente, na tentativa de sobreviver e alimentar seus filhos, e tal demora na aplicação da lei só agrava a situação”, pontua a jovem.

As consequências advindas desse problema, assim como da falta de políticas públicas sobre o tema são inúmeras, a começar pelo aumento das desigualdades de gênero. “Não ter como conter o sangue no período menstrual de forma adequada faz com que muitas deixem de frequentar a escola, nesse período, por exemplo”, argumenta Luísa Valadares.

A Organização das Nações Unidas aponta que, uma em cada 10 meninas, falte à escola durante a menstruação, sendo este número ainda maior no Brasil. “Além da evasão escolar, a utilização de objetos inadequados para esconder o sangramento pode causar problemas de saúde íntima, algumas reportagens falam sobre o até de jornal e miolo de pão”, pontua a integrante do Juntas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A jovem atenta ainda a questão da saúde pública, visto que itens inadequados durante o ciclo menstrual podem causar infecções internas, que podem ser nos rins ou nos órgãos reprodutivos. “O principal problema, no entanto, é privar essas pessoas do mínimo necessário para viver, trata-se de dignidade da mulher, de Direitos Humanos e de saúde pública. No Brasil, em que muitos voltam a morrer de fome, não deveríamos ter que pagar para menstruar”, completou.

O Coletivo Juntas é um movimento feminista, anticapitalista e antirracista que atua nas escolas, bairros, universidades e cidades tanto no quadradinho quanto em âmbito nacional. Além dos debates abertos e com o objetivo de ampliar a discussão a respeito do tema, a instituição traz campanhas de solidariedade, recolhendo e distribuindo absorventes para quem não consegue comprar. “A solidariedade ativa é muito importante em momentos de governos tão perversos como os que temos hoje, mas a pobreza menstrual é um problema estrutural que atinge vários e deve ser resolvido por meio de políticas públicas, observância da legislação vigente, além de ir na contramão do veto presidencial”, declara Luísa.

Fora as ações, o grupo ainda promove mobilizações e manifestações a fim de pressionar o governo. “A luta se faz na rua”, defende. Em 2021, o Juntas reuniu mais de 30 mil assinaturas contra o veto do presidente da República, que não liberava a distribuição gratuita do item alegando que o texto do projeto não estabelecia fonte de custeio.

Mais iniciativas

Além deste, outros grupos do DF também decidiram agir. O projeto Bsb invisível, por exemplo, é outro movimento que arrecada e doa o produto de higiene pessoal para as que precisam. “O absorvente não é um item essencial na cesta básica. Ele é muito caro, então é muito difícil as pessoas receberem doações desse produto a não ser que seja através de ações focadas nesse tema”, compartilha Maria Baqui, de 24 anos, jornalista e fundadora do Bsb. Desde 2018, a organização trabalha com ações dentro dessa pauta, arrecadando e distribuindo o insumo. “Durante as nossas ações, procuramos aconselhar as mulheres e explicar sobre o assunto, o que possibilita um espaço de troca e interação”, esclarece a dirigente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em busca de alternativas sustentáveis, a empresa brasileira Korui vende os ‘copinhos’ e absorventes reutilizáveis há 10 anos. Comprometida com a luta contra pobreza menstrual, a Korui realiza ações beneficentes para aquelas que tem dificuldades de acessos a esses produtos, a cada 10 coletores menstruais vendidos, é doado 1 para mulheres em situação de vulnerabilidade. “Até o momento já impedimos o descarte de mais de 170 milhões de absorventes no meio ambiente, o equivalente a 2.400 toneladas de lixo”, afirma a companhia.

O uso do coletor requer o acesso à água limpa para higienização apropriada, ação que deverá ser ensinada em curso ofertado em ambiente escolar e nas UBS – durante o ciclo menstrual, ao retirar do coletor para esvaziamento a cada 12 horas, deve ser acompanhado da devida higienização e esterilização do produto. “Não podemos diferenciar uma menina da outra, porque uma é pobre. Cada cidadã tomará a decisão (entre absorvente ou coletor) conforme a condição de sua vida particular”, explica a autora da lei.

Para Luisa Brandão, 23, “o coletor é muito prático”. Ela optou pelo coletor menstrual para colaborar com a redução de lixo, mas hoje diz perceber que o coletor possui várias vantagens no dia a dia. “Não sinto necessidade de esvaziar o coletor na mesma proporção que me preocupava em trocar os absorventes antes. Posso nadar, correr, malhar e dormir em paz sabendo que não existe a possibilidade de o absorvente dobrar ou manchar os lençóis. Além disso, estou a muito tempo sem gastar com absorventes. Perfeição!”, exclama a estudante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Devido à falta de regulamentação da lei dos absorventes, a Secretaria de Justiça do DF (Sejus-DF) também promove iniciativas visando melhorar essa situação. A pasta realiza, assim como as entidades citadas, campanhas de arrecadação dos descartáveis para distribuir para mulheres em situação de vulnerabilidade da capital federal. O trabalho começou no ano passado e, até o momento, já arrecadou 150 mil unidades de absorventes. Os pontos de coleta, como enfatiza a secretaria, estão nas unidades do Na Hora e Procon.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Como as famílias têm enfrentado problemas para garantia da alimentação e moradia, as condições para higiene e cuidados pessoais acabam relegadas e muitas meninas, mulheres e adolescentes não têm condições de adquirir o produto. Todas as pessoas que menstruam têm direito à dignidade menstrual, o que significa ter acesso a produtos e condições de higiene adequados”, declara a Subsecretaria de Políticas para Crianças e Adolescentes (SUBPCA). Nesse sentido, a pasta tem trabalhado, em parceria com as Secretarias de Educação, Saúde, Esporte e Lazer, Juventude, Turismo, Desenvolvimento Social e Secretaria da Mulher do DF, com a finalidade de promover ampla cooperação técnico-institucional e intercâmbio de conhecimentos, informações, experiências e o desenvolvimento de ações conjuntas para a promoção da dignidade menstrual de adolescentes e jovens do DF.

A Campanha, desta forma, além de arrecadar absorventes e distribuir às adolescentes da rede pública de ensino, conta também com a realização de oficinas nas escolas, com a finalidade de levar conhecimentos às meninas e discutir com elas sobre o ciclo menstrual, cuidados de saúde e a desigualdade de gênero. “Já participaram das oficinas 658 estudantes, entre outubro e dezembro de 2021”, pontuam. O projeto conta com a colaboração de parceiros públicos e da iniciativa privada. Já foram arrecadados mais de 150 mil absorventes. E a distribuição é realizada pela Secretaria de Estado da Educação.




ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Parceiros
Parceiro 01Parceiro 02Parceiro 03Parceiro 04JoaquimJoaquim
web radio do grupo publicidade joaquim neto
Copyright (c) 2022 - RADIO SAT BRASIL MINHA RADIO GOSPEL - Todos os direitos reservados
site, tv, videos, video, radio online, radio, radio ao vivo, internet radio, webradio, online radio, ao vivo, musica, shows, top 10, music, entretenimento, lazer, áudio, rádio, música, promocoes, canais, noticias, Streaming, Enquetes, Noticias, mp3, Blog, Eventos, Propaganda, Anuncie, Computador, Diversão e Arte, Internet, Jogos, Rádios e TVs, Tempo e Trânsito, Últimas Notícias, informação, notícia, cultura, entretenimento, lazer, opinião, análise, jogos, Bandas, Banda, Novos Talentos, televisão, arte, som, áudio, rádio, Música, música, Rádio E TV, Propaganda, Entretenimento, Webradio, CD